Após sua Assunção, Nossa Senhora tendo chegado aos céus, foi Coroada como Rainha pelo próprio Deus. Esse Reinado de Maria e a Glória dela refletida na terra tem toda ligação com nosso fundador Mons João, não apenas por ele ter nascido no dia Dela, 15 de Agosto, Solenidade da Assunção, mas especialmente pelo seu desejo de ligar o céu e a terra, e que venha a nós o Reino de Maria.

Museo del Prado – Madrid, España

Consideremos esta expressiva página do Tesouro de Oratória Sagrada, colocada em uma de suas inúmeras obras sobre a Rainha Maria Santíssima:

No dia de sua Assunção, o esplendor de Maria superou ao dos astros no firmamento; (…) naquele glorioso dia sua beleza ofuscou, não apenas a do planeta que ilumina as trevas da noite, mas a daquele ante cujos raios desaparece toda outra luz. Ouviu-se, então, ressoar pelas altas regiões, a voz do real Salmista, quando, arrebatado por divina inspiração, admirava a Rainha com um vestido bordado de ouro, engalanada com vários adornos, e sentada no trono do proprio Rei.

Ah, sim! Tendo sido Maria superior aos Patriarcas na firmeza da fé; aos Profetas, na contemplação das coisas divinas; aos Apóstolos, no zelo da honra de Deus e do bem das almas; aos Mártires, na virtude da fortaleza; aos Santos Padres, na sabedoria; aos Confessores, na paciência e na mansidão; às Virgens, na pureza, e a todos, na santidade; e havendo correspondido em grau eminentíssimo à graça, e praticado todas as mais preciosas virtudes, por isso, no dia de sua Assunção, apareceu Ela com vestido bordado de ouro, engalanada com vários adornos, sentada à direita do Altíssimo, e coroada Rainha de todos os Santos.

Deus, que tanto exaltou a Maria no Céu, quis que sua glorificação também tivesse esplendor na Terra. Ele pôs em suas mãos o cetro da misericórdia, as chaves da beneficência. E a partir de então, todos os favores e todas as misericórdias chegaram aos homens por intermédio de Maria. Sim, por Ela alcançaram glória o Céu; paz a Terra; fé o povo; uma regra a vida, e disciplina os costumes.

Roma – Itally

Por Ela se alegra o vale, floresce o deserto, cobrem-se os campos de novo verdor, e se convertem em sorriso de alegria as lágrimas dos desgraçados. (…) De maneira que, assim como não existe cidade, nem vila, ilha nem principado, onde não se veja um altar erigido à glória de Maria, tampouco há cidade ou vila, ilha ou principado, onde não se fale de graças imprevistas, singulares, extraordinárias e milagrosas, alcançadas por obra do benévolo patrocínio da Virgem (…) Exorto-vos, pois, a que coloqueis toda confiança e toda fé em Maria. Ricos e pobres, poderosos e miseráveis, príncipes e súditos, pais e filhos, grandes e pequenos, sábios e ignorantes: não olvideis que Maria é nossa Rainha e Mãe.” (Pequeno Ofício da Imaculada Conceição Comentado; Monsenhor João Clá Dias, EP; Artpress – São Paulo, 1997, p. 43 a 46 e 283-284)

DEIXE UM COMENTÁRIO